ALTO MINHO - Grupo Folclórico e Etnográfico de Castelo do Neiva

Grupo Folclórico e Etnográfico de Castelo do NeivaO Grupo Folclórico e Etnográfico de Castelo do Neiva foi fundado em Dezembro de 2001, por cerca de 50 elementos, a maior parte dos quais, com longos anos de experiência em folclore.

A cerca de 10 Km a sul de Viana do Castelo, situa-se a linda freguesia de Castelo do Neiva, banhada pelo mar, embelezada pelo rio Neiva, campos e monte. As actividades que envolviam as nossas gentes eram: a pesca, a apanha do sargaço e a agricultura da qual se colhiam os produtos para o sustento das famílias e também para vender nas feiras. Era costume ir às festas e romarias em grupos, afim de se divertirem, também para arranjarem namoro que, talvez, pudesse dar em casamento! As raparigas levavam suas merendas, os moços iam com concertinas, violas e cavaquinhos para com suas músicas fazerem festa às raparigas.

Envergamos trajes variados com poucas cores garridas, pois era assim que vestiam as nossas gentes. Da sua variedade, que para nós é tão linda, destacamos alguns que têm uma história extraordinária pelos nossos antepassados.

  • O traje de sargaceiros
  • Os pescadores
  • A viúva
  • A mulher de emigrante
  • Os romeiros
  • Traje de Domingar

As letras e músicas reflectem a forte ligação desta gente ao mar e à faina da pesca, que vivendo quase sempre na incerteza do futuro, têm a capacidade de viver com um sorriso nos lábios, desafiando as reviravoltas da vida.

BEIRA LITORAL [VAREIRA] - Rancho Regional da Casa do Povo de Ílhavo

Rancho Regional da Casa do Povo de ÍlhavoO Rancho Regional da Casa do Povo de Ílhavo foi fundado em 6 de Janeiro de 1984 com a finalidade de fazer reviver as danças, os cantares e os usos e costumes de Ílhavo.

É sócio efectivo da Federação do Folclore Português justamente pela autenticidade e verdade que representa.

Anualmente organiza três Festivais de Folclore e desde a sua fundação tem participado em várias Festas e nos melhores Festivais Nacionais e Internacionais do País.

Já esteve em França e em Espanha por diversas vezes. Em 1993 e 2002 representou a Beira Litoral / Zona Vareira no 17º e 19º Festival do Algarve. Em 2001 esteve na Ilha da Madeira e em 2005 na Ilha Terceira / Açores. É portador da Medalha de Mérito Cultural da Cidade de Ílhavo.

DOURO LITORAL [NORTE] - Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado

Rancho Etnográfico de Santiago de BougadoO Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado, é uma Associação sem fins lucrativos, que pertence à Freguesia que lhe deu o nome.

Santiago de Bougado faz parte da Cidade e do Concelho da Trofa. Situa-se na margem esquerda do Rio Ave, onde no passado se contavam bonitos contos e lendas, e se cantavam bonitas cantigas ao som do gemido das águas puras.

São tradições do passado que ninguém pode esquecer, e que agora estão a ser transmitidas, através dos seus componentes, para dar seguimento ao que de bom havia na sua terra, e para levar bem longe as recordações dos usos e costumes dos seus antepassados.

Santiago de Bougado é muito rico em Etnografia e Folclore. Representa a região do Douro Litoral e pertence ao Distrito do Porto.

Somos sócios efectivos da Federação do Folclore Português e também sócios do INATEL.

Rancho de gente alegre que ao som da sua tocata, composta por concertinas, violão, viola, cavaquinhos, reco-reco, bombo e ferrinhos. E com os trajes habituais que usavam na nossa terra, nomeadamente: Noivos, Lavrador Rico, Domingar, Romaria, Feira, Trabalho, Ver a Deus e Serandeiro.

RIBATEJO - Rancho Folclórico Benfica do Ribatejo

RIBATEJO - Rancho Folclórico Benfica do RibatejoNos princípios dos anos 50, a zona de Benfica do Ribatejo vivia principalmente das actividades piscatórias. Quando a Feira do Ribatejo começava a ganhar forma e força, surge um agrupamento muito “sui-generis” para a época e que retractava uma das figuras tradicionais do Ribatejo: o pescador. Chamava-se este agrupamento o Rancho Folclórico dos Pescadores de Benfica do Ribatejo.

Celestino Graça, grande impulsionador do folclore ribatejano, foi o seu fundador. Inicialmente, e como acima foi referido, as danças e trajes retractavam principalmente a figura do pescador. Celestino Graça teve o cuidado de efectuar minuciosas recolhas junto dos pescadores mais antigos, especialmente na Zona dos Cucos e das Faias, identificando os usos e costumes desta gente então tão característica da zona, dando animação e vida a estes usos e costumes em danças como a “Valsa Danada”, “Cor tão Bela”, “A Cigana”…

Actualmente, o Rancho apresenta um novo figurino com a adição das danças e cantares das margens do Tejo, da lezíria e das charnecas.

As suas características vincadamente regionais, fazem deste Rancho um dos embaixadores do Folclore do Ribatejo, o que, para além das presenças nos maiores e mais prestigiados Festivais Nacionais de Norte a Sul do nosso País, bem como várias actuações Televisivas e em Programas de Rádio em Portugal e no Estrangeiro, o que resultou em popularidade além fronteiras, tendo o Rancho levado as suas danças e os seus cantares a certames Internacionais, entre os quais destacamos as participações em Inglaterra, França, Itália, Turquia e Palma de Maiorca.

Actualmente o Rancho comporta um repertório de 42 danças e é composto por perto de 40 elementos que vão desde músicos a dançarinos. O seu folclore reflecte a vida do trabalhador do Campo e do Pescador do Tejo, concedendo-lhe a beleza natural das gentes do Ribatejo.

Em termos oficiais, o Rancho Folclórico Benfica do Ribatejo é uma Associação Recreativa e Cultural, desde a sua fundação em 15 de Outubro de 1979 – Membro Efectivo da Federação do Folclore Português – Membro da Federação Portuguesa das Colectividades de Cultura e Recreio – Filiado no INATEL como Centro de Cultura e Recreio.